Wednesday, August 12, 2009

Qual é o problema com panfletos políticos?

Quando o camarada começa a defender um ponto de vista de maneira clara e objetiva, logo aparece alguém desqualificando a iniciativa, como se todas as idéias fossem equivalentes e não restasse alternativa diante dos problemas a não ser mergulhar no cinismo, esta sim uma atitude cool e perfeitamente razoável. "Não se iluda, cara, as coisas não mudam." Como não? Há pouco mais de um século as pessoas eram proprietárias de outras pessoas. Há poucas décadas as mulheres eram submissas ao homem. Isso ainda é uma realidade justamente nos lugares onde as idéias são fortemente controladas pelo poder constituído. Subestimar o poder das idéias é subestimar as suas consequências, é imaginar que as idéias habitam um plano etéreo independente da realidade. O must do posicionamento político nos últimos meses no Brasil é pedir a renúncia de um senador corrupto. Fulano e Beltrano já foram depostos de seus cargos antes, mas a corrupção não acabou, pelo contrário, ela parece mais presente que nunca. Batem o pé contra uma pessoa, ótimo, #forasarney, mas não questionam a cadeia de incentivos que dá margem à corrupção. Reclamam dos políticos ao mesmo tempo em que clamam aos políticos que resolvam os problemas. Isso não tem como dar certo e tirar um é enxugar gelo, porque logo vem outro e as coisas permanecem como estão. Se não há uma visão global que ajude as pessoas a compreenderem a raiz da questão, fica-se apenas numa indignação confusa e vazia, incapaz de ligar lé com cré. Quando o Pasquim fazia nos anos 70 o seu proselitismo socialista, o beautiful people vibrava de emoção sem medo de ser feliz. Essa gente está agora no poder, aliada ao tal senador. Está na hora de formar uma oposição consistente frente ao status quo, com pessoas que compreendam relações de causa e efeito e se guiem pela verdade, e não pelo desejo de parecerem bacanas aos olhos do politicamente correto. As eleições podem ser um concurso de popularidade, mas a busca pela verdade não é.

7 comments:

Anonymous said...

Nunca na história do Brasil um político corrupto teve a pena que merecia pelo seu crime de corrupção ou de meteção-de-mão no dinheiro público. Maluf não passou de um bode expiatório e um exemplo a ser mostrado em propaganda eleitoral ou pelos articulistas de plantão das esquerdas. Pra o chefe de todos falar que nunca antes da história do brasil, etc...Políticos tem privilégios para se defender de picaretagens alheias, desestabilizações de fora pra dentro, só que o eixo mudou, e a lei precisa mudar também. O Itagiba é o único que conheço a defender e lutar pela desprivilegiação dos políticos.
Mas pra isso o projeto precisa passar pelos demais políticos, e e aí que a porca torce o rabo e roubam a porca.

Anonymous said...

A verdade não faz o menor sucesso.

sol-moras-segabinaze said...

Verdade. hehe

rodrigo.feijao said...

acho que parada é fazer um ´partidos dos advogados liberais´ heheh tem de ter muito advogado pra fazer qq coisa no brasil! : P

sol-moras-segabinaze said...

Que horror, Feijão. hahaha

sol-moras-segabinaze said...

Aliás, difícil encontrar advogado liberal, viu?

sol-moras-segabinaze said...

Advogado da liberdade individual tem que prestar exame da OAB?