Tuesday, August 18, 2009

As 10 pragas do Egito

Então mais pragas se seguiram: a dos mosquitos, que vieram da poeira do chão. Dessa vez, os magos não conseguiram replicar a mágica, mas o faraó permanecia irredutível. Depois vieram as moscas-varejeiras em todos os cantos do Egito, menos em Gessen, onde moravam os hebreus. O faraó meio que jogou a tolha, dizendo que ia finalmente liberar os hebreus, mas, na última hora, voltou atrás. A quinta praga foi a peste dos animais e funcionou assim: os animais dos egípcios morreram e os animais dos israelitas sobreviveram. O faraó, mais uma vez, não se emocionou. A sexta praga pegou pesado: "tumores que provocarão pústulas". Eu já tinha pedido arrego há muito tempo, mas o coração do faraó permanecia duro e, pelo jeito, livre de pústulas. Depois foi a vez da chuva de granizo, que castigou todo o Egito, menos Gessen, seguida da praga dos gafanhotos, que invadiram e "não deixaram nada de verde nas árvores e pastagens". Novamente, o faraó admitiu que pecava desobedecendo o Senhor, mas após Deus dispersar os gafanhotos, bateu o pé mais uma vez. A nona praga foram as trevas que se abateram em todo o Egito, exceto onde ficavam os judeus, claro. Cabeça dura e confortável na escuridão, o faraó nem se emocionou. Na décima e última praga, foram mortos todos os primogênitos dos egípcios. Acho que, depois disso, só sobrou vivo mesmo o faraó e o seu coração de pedra. Aliás, por que Deus não simplificou todo esse processo se livrando logo dele?

11 comments:

Anonymous said...

Mosquitos, pragas, varejeiras, pústulas? Provado: o Egito fica no Maranhão.

Anonymous said...

Esqueci dos gafanhotos. Pobre Maranhão. E ainda tem o genro do faraó. A filha do faraó. A neta do faraó. O motorista do faraó. O copeiro do faraó. Os apartamentos do faraó. A mulher do faraó quando precisa de hospital, foge do Egito e vai pra SP. Mais uma vez. Pobre do Maranhão.

Anonymous said...

Para mais informações sobre os faraós e as pragas do Egito, leiam o Jornal Pequeno.

moscaazul said...

"Eu já tinha pedido arrego há muito tempo, mas o coração do faraó permanecia duro e, pelo jeito, livre de pústulas."

hahaha Tenho que reconhecer que essa foi boa.

Raphael Moras de Vasconcellos said...

Acho que descobri uma coisa. Esse Deus é çakana.

Resolver as coisas de modo rápido e eficiente seria o mesmo que não existir a História, compreende?

Seria como "Fiat lux" e no instante seguinte "Desfiat lux". Ou mesmo que a existência durasse, seria perfeito, chato, constante.

Iavé quer ver a cobra fumar.

Anonymous said...

A verdade é que as pragas foram escritas especialmente para permanecerem como metáforas em standby. Precisou, usa. São universais, regionais, micro, macro e sim!, nasceram no Maranhão.

Anonymous said...

É um assunto sério. Que deve ser tratado seriamente.De preferência, de bigode e fardão. Lembrai-vos, infiéis, o faraó usa fardão. Pior, o faraó constuiu um mausoléu para si, com o dinheiro dos fiéis!!!
Dessa vcs haviam esquecido. Fred.

Anonymous said...

Meninos, por que vocês não vão pitacar lá no post que o Sol colocou em minha homenagem? Isto aqui cheira mal. Vocês já foram ao Maranhão? É pior do que vocês imaginam, uma pobreza incrível, uma riqueza inacreditável. Abigail

Anonymous said...

Rapha, Deus quer sofrimento da macacada mesmo, vc tem razão. Deus não é de short cut, é de planos longos, tipo Pantanal. Deus é mais Bergman do que Tarantino. In short,
Deus gosta de ver o circo pegar fogo, mas em fogo lento. Fred

Anonymous said...

Se você não gostou do Maranhão, visite o Piauí.

Anonymous said...

Tese, antítese, pobre, rico, homem,
mulher, faraó, faraônico. Viram como tudo encaixa?