Wednesday, August 05, 2009

O Deus laico

O estado, naturalmente. Como percebem que pedir vantagens pessoais "pro cara lá de cima" não traz, muitas vezes, o resultado esperado, as pessoas se reúnem pra pressionar quem tem o monopólio do uso da força aqui embaixo, o estado. Li agora no "O Globo" sobre um sindicato que recruta pessoas por 40 reais pra engrossarem manifestações "pro cara lá de Brasília". Não importa a causa, o lance é fazer barulho pra conseguir alguma vantagem pessoal, obviamente camuflada sob o manto infalível do "bem comum". Como o estado não está separado da economia, muito longe disso aliás, os lobbies se transformam na forma mais lucrativa de "concorrência". Se o Deus laico tem o poder de dar subsídios, criar protecionismos e reservas de mercado, por que não se beneficiar desse poder? Claro que isso se dá às custas de todos os outros que não têm as conexões políticas certas, mas quem disse que a lei era igual pra todos? Só o estado, ao contrário do que a propaganda estatista diz, é capaz de assegurar monopólios. Agora mesmo tá pra cair o monopólio da distribuição de cartas e o Ministro Hélio Costa, pra preservar a sua reserva de mercado, cai numa falácia comum: "Vão se perder muitos empregos!" É o que, diria Bastiat, se vê. O que não se vê são os empregos que deixam de ser criados por causa desse monopólio, é o dinheiro que as pessoas economizariam caso houvesse competição no setor. É a crença de que o estado e os políticos sejam a solução que possibilita a corrupção, os privilégios, os Lulas e os Sarneys da vida. Do jeito que está configurado, o estado não é a solução, é o problema.

2 comments:

rodrigo.feijao said...

e o mais inacreditável é que a matéria, aliás tudo o que sai em jornal, dá sempre a impressão NOVIDADE. a surrealidade começou ontem! hahaha viva o coronelismo 2.0!

sol-moras-segabinaze said...

Estão agora todos numa corrente pra frente pra derrubar o Sarney.

Agora vai!