Wednesday, August 19, 2009

A Páscoa e o Cordeiro

Em meio às 10 pragas que lançou sobre o povo egípcio enquanto poupava o faraó sem nome, o Senhor encontrou tempo para estabelecer um ritual entre os hebreus, a Páscoa. "No dia 10 deste mês, cada um tome um animal por família. O animal será sem defeito, macho de 1 ano. Podereis escolher tanto um cordeiro como um cabrito. Devereis guardá-lo até o dia 14 deste mês, quando, ao cair da tarde, toda a comunidade de Israel reunida o imolará. Tomarão um pouco de sangue e untarão as ombreiras da porta das casas onde comerem. Deverão comê-lo assado no forno, com pães sem fermento e ervas amargas." Melhor do que passar fome, sem dúvida alguma. "Assim devereis comê-lo: com os cintos na cintura, os pés calçados e o cajado na mão." O cajado devia ser tão comum naquela época como eram os chapéus na década de 1920. "A bald paradise", diria George Costanza. "Nesta noite eu passarei pela terra do Egito e matarei todos os primogênitos no país, tanto das pessoas como dos animais. (...) Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua". Os egípcios, imagino, não devem comemorar a Páscoa, ainda mais depois de terem tomado esse chocolate (uia!) do Senhor.

9 comments:

Anonymous said...

O Senhor sempre poupa os faraós. Sai faraó, entra faraó, ali está o Senhor poupando o dito cujo.

Anonymous said...

Untar de sangue umbrais da porta? Tsk, tsk, tsk. Não é de se estranhar que haja tanta praga no Egito! Espanto seria se não houvesse.

Anonymous said...

Ervas amargas? Ei, Sol, essa é daquelas de cabrinha não come?

sol-moras-segabinaze said...

Boa pergunta.

Anonymous said...

Trocadilho sem graça pode, Sol, desde que se acuse o golpe, no caso o "uia". Baiduei, trocadilhos sem graça são os mais engraçados.

Anonymous said...

Não é de hoje que tem faraó sem nome, faraó de ato secreto, faraó dando emprego pro bofe da neta, pro copeiro, periquito, papagaio.
Os faraós insistem em não morrer.
Ontem mais um faraó foi perdoado. Mais um, não, este é o faraó dos faraós, que botou ovinhos na ditadura, botou ovinhos na oposição, botou ovinhos na situação, a vida do homem é correr pro lado do poder - se abrigar em suas asas e continuar as faraozices de sempre, que nisso ele é membro da ABL.

Anonymous said...

Sol, bem que você poderia mandar um post bem pesquisadinho a respeito de trocadilhos.

Anonymous said...

Houve época, acho que no meio dos 80, em que ser publicitário era ser bom de trocadilho. Maus tempos aqueles. Trocadilhos requerem apenas agilidade mental e destreza na arte de combinar palavras, mas prefiro apelidos. Os melhores são os piores, do ponto de vista do politicamente correto.
Aliás, esta não é uma expressão que traz uma contradição entre termos?
Desde quando há algo correto na política?

Raphael Moras de Vasconcellos said...

Tô começando a me irritar com essa parcialidade divina. "Comemoreis o dia em que passamos a espada na garganta impúbere de pequenos mancebinhos de raças alheias, e assisteis o rio de sangue que cascateia em frente à vista espantada de seus malditos pais."

Tudo bem, naquela época os israelenses eram os palestinos. Ou não está tudo bem? Confundi...