Monday, July 27, 2009

Discutindo com um ateu bolivariano

Mudança da sociedade em direção ao comunismo ou ao bolivarianismo do século 21? Mudança nem sempre é necessariamente pra melhor. E ateísmo não é sinônimo de socialismo ou comunismo. Ateísmo lida com a existência ou não de Deus. O modo como o estado deve ser organizado são outros 500. Um estado total como o socialista é tão ou mais opressor quanto qualquer igreja. O estado deve ser laico. Ateísmo não se "implanta" numa decisão de cima pra baixo. Ateísmo deve partir de cada consciência individual que não se amarra a dogmas ou regras sem sentido. E a Revolução Francesa não foi nenhuma maravilha, rios de sangue e a formação de um estado pré-totalitário. Se você diz "abaixo o preconceito", eu digo "abaixo a ignorância". Pois é, bem lembrado. Os soviéticos tentaram "implantar" o ateísmo de cima pra baixo e o que houve foi violência, expurgos e a demolição das antigas catedrais pra se louvar Marx, Lênin e Stálin. O questionamento do fudamentalismo religioso deve se dar através da razão, e não através de armas e opressão. Se você vem com esse papo de "implantar" o que quer que seja na marra, não conte comigo. De qual "modelo decadente" você está falando? E sim, a única forma de aprimorar a opinião e a consciência das pessoas é através da persuasão, do convencimento. Então porque as pessoas estão todas alienadas pela "enganação da mídia", elas precisam que seres iluminados como você e os seus amigos (Zelaya, Chávez, etc) as tirem desse limbo mental e as obriguem, sob coerção, a enxergar a "realidade". Entendi. Quando a gente for ver, todos estaremos sob a ditadura bem intencionada dos iluministas bolivarianos, aquele povo que admira Fidel Castro e acha que a liberdade religiosa é um "capricho burguês".

2 comments:

Sebastian Volta said...

Mas não seria a Igreja, uma grande forma de persuasão e convencimento?
Eu... pelo menos... nunca vi nada tão eficiente para controlar as massas sem usar a força...

sol-moras-segabinaze said...

Sim, seria.

Acho que já usaram da força quando estado e igreja se confundiam, mas hoje não.

Quer dizer, em lugares como o Irã isso ainda acontece.