Tuesday, October 20, 2009

Sob o álcool 14

Não se ganha a vida, se adia a perda. [o cara tá bolado... mó pinta de viadinho, fala sério]

7 comments:

Anonymous said...

Não vou saber repetir, o que é um crime, mas marrumenu aí vai:
"Não há cama mais dura
do que a fria lousa
de uma sepultura."

Haicai do Millôr.

Anonymous said...

"Essa vida louca e guapa
é bela porém muito cansa
e ainda há a desesperança
de um fim de que não se escapa"

Mal traduzindo, claro.

Anonymous said...

A vida não chega a ser breve.
Drummond.

Anonymous said...

Parece um daqueles caras do Parque Laje, aqueles que falam de matéria, fundo, força perfunctória e outras tecnicidades de gente que a única coisa d'arte que lhes sobrou é falar sobre. E mal. Abraços, Fred.

Anonymous said...

O cara sai do Parque Laje e vai tomar chope no Baixo Gávea discutindo a luz em Caravaggio. Existem poucas coisas mais gays do que estas. Ah, esqueci: o cara tem um peguete que é cabo do Corpo de Bombeiros.

Anonymous said...

A barbinha rala é típica. Tem aquele ar desleixado, nada que duas horas de tesourinha não esculpam, fio a fio. Depois o boneco diz que preocupação com aparência é coisa de burguês. E o lado esquerdo dele é melhor pra foto, diz. Tipo Iglesias.

sol-moras-segabinaze said...

Tipo o Iglesias e o Daniel Filho.