Thursday, September 03, 2009

Ilusão do prazer

É verdade, a gente nasce, cresce e morre. Então nesse espaço de tempo que nos é concedido por nossos pais, há diversas escolhas que temos que fazer em função dos nossos fins. Não estou dizendo que sempre fazemos as melhores escolhas e nem que somos absolutamente racionais. Mas assim como os recursos, o nosso tempo também é escasso e o equilíbrio entre as obrigações e o prazer é delicado. Li que a "depressão" vai ser a doença do futuro. Depression is trendy. Por que? Sei lá, só tenho um blog. Mas arrisco dizer que é uma patologia amplificada pela relativa prosperidade em que se vive. Tipo, é só isso? Num passado menos próspero, alguém que se dissesse com depressão levaria uma sova do pai pra "parar de frescura e pegar no arado". Com o mínimo pra sobrevivência já garantido (pense no welfare state), resta a busca pelo sentido, lembrando daquele maravilhoso livro do Viktor Frankl. Qual o motivo pra se levantar de manhã? To party all night long and do all the drugs available? Isso não resolve o problema, realmente. É divertido, sem dúvida, não vou mentir, mas não é o suficiente. A riqueza material também ajuda, mas se ela se torna um fim em si mesma, a insatisfação permanece. É, talvez a saída seja mesmo aceitar Deus no coração. I'm just kidding, pelo menos por enquanto. hehe

3 comments:

Ozzie said...

Pode brincar, mas vai acabar levando a serio essa ideia. Vai por mim! (risos)

sol-moras-segabinaze said...

hehe

rodrigo.feijao said...

bom, eclesiaste te pos pra pensar... acho que se ele fez isso com pelo menos 1 pessoa que leu esta parte da biblia (certamente na biblia do garotinho, bispo macedo, etc esta parte foi cortada ou ´editada´), fez mais pela filosofia do que aquela professora do livro famoso... como é o nome dela mesmo? sou mais eclesiastes... filosofando.