Friday, September 18, 2009

Não é fantástico?

"Pela primeira vez, não vamos ter um candidato de direita na campanha. Não é fantástico isso? Vocês querem conquista melhor do que, numa campanha, neste país, a gente não ter nenhum candidato de direita? Uns podem não ser mais tão esquerda quanto eram. Não tem problema. A história e a origem dão credibilidade para o presente das pessoas. Era inimaginável até outro dia que chegássemos a esse momento no Brasil. Antigamente, a campanha era o candidato de centro-esquerda ou de esquerda contra os trogloditas de direita. Não tem um candidato que represente a direita. É fantástico." Isso não é exatamente fantástico e nem verdade, porque o último candidato com resquícios liberais à presidência foi o Afif Domingos em 1989. Então é oficial, a esquerda ganhou a guerra cultural e a direita é o "mal". Claro que essa "direita" é aquela da caricatura, da ditadura militar (estatizante como o PT gosta) e do discurso TFP. O partido major que mais se aproxima do liberalismo, o DEM, propagandeia um liberalismo envergonhado (eles diriam "moderado") à sombra do PSDB. São até contra a legalização do jogo, que liberalismo é esse? Mas isso é culpa só dos partidos e dos políticos? Não, são apenas um reflexo do que se passa na cabeça do brasileiro. Até os artistas daqui - o Ivan Cardoso falou hoje no jornal - são meio que funcionários públicos. Com uma população em que a maioria trabalha ou quer trabalhar pro governo, não há mesmo espaço pro liberalismo. Isso vai mudar, lógico, mas só depois que o modelo atual der tilt. Até lá, segue a dieta PT-PSDB.

5 comments:

Luiz Mário Brotherhood said...

estamos fudidos.

rodrigo.feijao said...

discordo. não há liberais por aqui... afif? era tfp pura, intervencionista, dinheiro ´para exportador´ no bolso, producao agricola bombando e controle cambial garantindo sua receita. delfim netto na veia.

adoro seu otimismo, sol! ahah : )
abs

sol-moras-segabinaze said...

Como não há liberais no Brasil?

Não estamos aqui sendo ignorados? haha

Sebastian Volta said...

Não acho que o liberalismo seja de direita. Na realidade, o liberalismo sempre foi de esquerda, lutando contra o absolutismo e o mercantilismo, que são a direita histórica. O socialismo expulsou o liberalismo da esquerda, mas não acho que tenha empurrado-o para a direita. Vejo o arranjo político como um triângulo, onde na base há os estatistas -- a direita mercantilista, social-corporativista (a social-democracia dos ricos) e, na esquerda, os socialistas, comunistas e, num ponto intermediário, fazendo uma mediação, os sociais-democratas. O liberalismo estaria no topo do triângulo, ao centro, em oposição, tanto à concepção política de esquerda e direita, quanto ao estatismo. Mas se tivermos que linearizar isto tudo, para mim, o liberalismo é esquerda e o estatismo, tanto na versão nazista quanto comunista, são a direita.
Já, o fato de não haver políticos de direita... não sei... para mim, o que há, hoje em dia, são uma mistura de social-corporativismo com social-democracia, ambos estatistas. E isto ocorre porque os políticos precisam agradar quem tem muito dinheiro -- para conseguir uma parte deste -- e a chandala, para conseguir votos. Aí, dá um subsídio aqui, uma bolsa família ali, agrada o quociente eleitoral suficiente e elege-se.
Já o liberalismo... politicamente, no arranjo atual... está morto... por que? Porque para o político não é interessante! Como ele vai mamar nas tetas do Estado se estas tetas estão muchibinha, pequeninha? E para o eleitor preguiçoso? Também! Quem vai dar a sua esmolinha? E o capitalista mercantilista? Quem vai garantir seu "trust", seus subsídios, suas isenções tributárias?
Ora... não é a toa que o liberalismo, politicamente -- não enquanto idéia -- está morto no mundo todo... A Libertarian Party nos EUA, não elege ninguém... Na Grã-Bretanha, a batalha dá-se entre conservadores (tories e não whigs) e trabalhistas, na alemanha e holanda, tb... nos outros países, como França, Itália, Espanha e Portugal, nem sei... mas não espero muito, visto o passado autoritário desses países...
Não sei como podemos atingir o liberalismo... Para mim, parece apenas uma utopia distante e, o máximo que posso fazer é denunciar os males do Estado e a calhordice dos que usam este aparato para pilhar.

sol-moras-segabinaze said...

É por aí.