Thursday, February 04, 2010

O radicalismo

Caramba, questionar o governo agora é "radicalismo"? Claro, as coisas não mudam de uma hora pra outra, como é que você acha que os guerrilheiros dos anos 60 e 70 (ser guerrilheiro é "radical"?) chegaram hoje ao poder? Questionando o status quo e acenando com uma metralhadora na mãe e o Manuel do Marighella na outra: "Ó, entre pra minha galera que a gente carrega a verdade da justiça social representando os pobres e oprimidos". Eram radicais e, com o tempo, foram se adequando à realidade da disputa pelo poder. Melhor, foram adequando a realidade à sua utopia através da guerra cultural, no que foram muito bem sucedidos. Quais artistas ou intelectuais não se declaram hoje "de esquerda"? A cúpula se tornou pragmática, mas os radicais continuam ali escondidos atrás da porta, esperando só o aceno da cúpula pra tomarem conta. Sou ingênuo? Ok, man. Se você quer mudar alguma coisa, como mudar com apelos por moderação que não o distinguem de maneira clara do discurso dominante? Não vou adotar a lógica dominguiniana (a lógica, aparentemente, não se aplica aos artistas) e ser realista pedindo o impossível, mas o espectro ideológico tem que dar uma espairecida, uma liberalizada, uma endireitada, sei que vocês concordam com isso. Não, eu não acho que se apresentar como um "anarcocapitalista" ajude nesse processo, esse termo assusta o cidadão comum mais do que a mula-sem-cabeça. Quer dizer, o cidadão comum não acredita mais em mula-sem-cabeça, mas continua acreditando que as intervenções do estado o favorecem. A ele, cidadão, não ao próprio governo. De qualquer maneira, companheiros, é bom que o debate aconteça, é bom que se fale em libertarianismo, é bom até que o Ancelmo Gois mencione um Sardenberg de maneira elogiosa. Neoliberal não, liberal. Qual o medo em se declarar liberal? Pegue um libertário hard (Dom Quixote) e junte-o a um liberal soft (Sancho Pança) e terás (nunca escreverás novamente neste modo bíblico) o melhor dos mundos, a síntese entre a utopia e a realidade. O PT quer empurrar a gente pra um lado, a oposição tem que empurrar pro outro, mas o PSDB quer fazer isso sem arrastar o móvel no chão, porque é moderadamente socialista. Uma marquinha no chão não faz mal, dá um toque de organicidade ao ambiente. Se o caminho do meio fosse a virtude máxima, o campeão de um torneio com 20 times seria o décimo colocado. Sem um norte, sem um ideal, sem um princípio, a oposição vai ficar saracoteando como uma barata tonta, subjugada pelo DDT de um adversário que sabe esterilizar um discurso que faz de tudo pra soar igual ao da situação, só que menos "radical".

11 comments:

Anonymous said...

DDT é proibido. As baratas protestam. Gays também. O general que vai para o STM disse que não quer saber de viado nas tropas. Como diria Paulo Francis - uau!
Se as casernas falassem... Mas casernas não falam, é proibido. Eu me pergunto o que os sideritos diriam de tudo isso.

Anonymous said...

Os caras passam a vida sendo radicais. Chegam ao poder. Agora, entronizados, ni´nguém pode falar mal deles ou são pechados de radicais. Caceta, radicais? A candidata deles foi da luta armada!
Eles não conseguem mascar chiclete e caminhar em linha reta ao mesmo tempo.

Anonymous said...

Quando o sujeito não dá pra mais nada no bom sentido, vira artista ou intelectual. Que no Brasil quer dizer qualquer coisa. O Brown, se bobear, está na lista de intelectuais. No Brasil, neguinho no bom sentido adquiriu notoriedade é artista ou intelectual.Tô cansado de artista e intelectual. Intelectual tinha dois no Brasil: Antonio Candido e Wilson Martins. Wilson morreu. O resto enrola bacana.

Anonymous said...

Ser de esquerda é senha de muderno.
Tipo falar tipo. Tipo falar enfim.
Agora que o "com certeza" está na boca de intelectuais tipo o Adriano, não sabe como os caras vão se arranjar. Ninguém mais é liberal. Mas os caras se dizem de esquerda muito mais do que por semostração. É por interesse. Verbas do governo. Tudo artista, esses intelectuais.

Anonymous said...

Uma coisa a gente tem que fazer pro MST: tirar o chapéu. Por burrice ou inteligência, nunca se sabe, eles são os únicos radicais de ação que restaram. São os enfant terribles da esquerda, olhados com uma ponta de orgulho pelos irmãos mais bem sucedidos na vida. Volta e meia alguém fala neste espaço solarengo sobre MST.
Carece. São meliantes consentidos pelo poder público. É espantoso.
Como é espantoso o grau de anestesia a que chegou nossa sociedade com a profusão de picaretagens tipo malas, meias e cuecas. Caiu na vala comum. Mas isto é outro assunto.

Anonymous said...

Eu acho, Sol, que todo mundo sabe qual o jogo que tem na mão. A cúpula exradical sabe que os radicais são um bom trunfo para ter na mão caso o oponente bata direto e pegue o morto. É a reserva técnica: áreas sociais, MST, extremistas, etc. Os radicais ficam esperando o chamamento às armas. Uma coisa me intriga, e já li isso aqui mesmo: por que os caras do MST só invadem terras nos
estados da oposição?

sol-moras-segabinaze said...

"Eu acho, Sol, que todo mundo sabe qual o jogo que tem na mão. A cúpula exradical sabe que os radicais são um bom trunfo para ter na mão caso o oponente bata direto e pegue o morto. É a reserva técnica: áreas sociais, MST, extremistas, etc. Os radicais ficam esperando o chamamento às armas." [2]

Anonymous said...

Estava eu num blog de carros. Li uns posts. Os caras arrumaram um jeito de meter o pau em jornalistas ditos de direita. Chamavam de Merdal Pereira, Lucia Hicpolito (pretensamente foi pega drincada alhures)e outras diatribes. (Diatribes e alhures quase na mesma linha é dose. O que me impressiona: é tudo uma gentalha. Cuspindo ódio. Baba bovina rodrigueana escorrendo. Tipo torcida de futebol. Com preconceito.

Anonymous said...

O cara da OAB assumiu cuspindo fogo. Estou impressionado. Caiu matando em meio mundo. Deu até uma certa esperança perdida no mundo dos advogados em geral. É quase um radical do bem. Pronto: desdemonizamos o radicalismo.

Anonymous said...

A gente aqui expressando pontos de vista com a idéia de remotamente ocorrer um milagre e conseguir-se fazer um País melhor e, meanwhile, no DF, o DEM articula a melhor maneira de jogar areia em cima da caca e, se possível, sair com algum nessa história toda. Você olha para o cara e vê claramente na face encovada a frase de Nelson Rodrigues: todo canalha é magro! Não falha uma, Sol!

sol-moras-segabinaze said...

hehehe