Monday, February 08, 2010

Growroom bombando

Conheço e apóio a iniciativa, desobediência civil com leis autoritárias que não façam sentido rules. É um início, já é alguma coisa - uma capa da Revista de Domingo do O Globo é o jornal que eu assino aonde? Vamos plantar em casa também, mas não vamos tirar o corpo fora da luta pela comercialização, por que não? Qual o problema de vender algo que o outro quer comprar? O lucro é feio mesmo, né? Por que o consumo pode e a venda não? Não faz sentido, meu camarada. Eu sei que os conservadores querem ser os pais e os progressistas as mães, mas eu me comporto ou recebo as consequências dos meus atos com agravante ao invés de atenuante. "Foi pego roubando as jóias da mãe e os dólares do pai pra manter o vício." Jaula pra quem atenta contra a propriedade alheia, liberdade pra quem se engaja em trocas voluntárias. Colé, querem deixar uma reserva de mercado com "a comunidade" pra que eles não se rebelem e saiam sequestrando por aí? "Já sequestram as mentes dos nossos filhos". Ou os seus filhos se deixam sequestrar, assunto privado de vocês, boa sorte, no irony. Ou a "guerra contra as drogas" foi bem sucedida e o livre-arbítrio não existe? Really? A lei proibir certas substâncias da natureza impediu que a natureza humana seguisse o seu curse? A maldição ou a bênção, a morte realmente equaliza a vida. Então colocam a coisa como um caso de saúde pública. Não, isso sim é uma maldição, transformar a saúde americana no SUS brasileiro, quando um político diz que quer o estado "induzindo" o desenvolvimento, ele quer dizer "controlando" o desenvolvimento. Qual é a diferença disso pro discurso fascista da década de 1930? A Lei Seca, bem lembrado. Tão querendo que as pessoas sigam a moral X sob a mira de uma lei, mas a moral desaparece quando uma arma aparece. Control freaks de uma figa, o figo tá baratinho ali na Cobal e ainda não foi proibido como o palmito. "Não, mesmo que o palmito esteja na sua propriedade, você não pode colhê-lo, ordens do IBAMA". Viu, é necessária uma luz artificial que faça o Sol pro bicho brotar, com um papel alumínio em volta pra dar o tchan. Segura o tchan, porque esta é uma crônica libertária, cronicamente out of date e cheia de crença no homem, se eu não acreditar no homem, como vou acreditar em mim mesmo? Eu não estou teclando sobre a legalização, tudo isto é uma ilusão. Melhor apostar as minhas fichas no post mortem, o vazio que satisfaz.

11 comments:

Anonymous said...

Apoiadíssimo, Sol! Abs, Fred

Anonymous said...

Minha amiga Berê disse que a reportagem da Revista de Domingo é da boa!

Anonymous said...

Os caras não querem um mundo sustentável e verde? É perfeito.
A gente tem que mudar o nome, porque maconha tem uma carga negativa/crimonosa/contravenção. Pros negócios é péssimo!

Anonymous said...

A gente pode importar diamba do Maranhão e vender 4 vezes mais barato. O diabo é pagar icms na fronteira dos estados.

Anonymous said...

Vender maconha é um negócio como outro qualquer. E se o lucro virar fumação, melhor ainda.

Anonymous said...

Se o lucro vivar fumaça, melhor.

Anonymous said...

Se ainda existe espaço para uma velha discussão: cigarro pode?

Anonymous said...

Cada maço de cigarro tem embutido no preço 81% de imposto para o governo. Pô, a gente pagava 90% de imposto pro charu amarradão, né não?

Anonymous said...

Chanceller, o fino que satisfaz.

Igor T. said...

"Eu sei que os conservadores querem ser os pais e os progressistas as mães"

Putz, Sol, é isso mesmo. Às vezes eu também acho que poderíamos dizer que os conservadores querem ser nossos pais; e os progressistas, nossas avós.

sol-moras-segabinaze said...

Podicrê.