Monday, August 20, 2007

A "tirania" dos empresários

"É a empresa que decide o que produzir, onde vender, o salário, os benefícios, as condições de trabalho, etc, etc."

Errado, Glauco.

Como diria Mises (foto), as pessoas não bebem whisky porque existem destilarias, existem destilarias porque as pessoas bebem whisky.

E outra, o salário não é arbitrariamente decidido pelo empregador, ele é um preço, resultado do encontro entre a oferta e a demanda.

Se o cidadão quer consumir, e ele não só quer como precisa, ele deve produzir, ou ser ajudado por alguém que produza.

Ou, em último caso, receber uma bolsa do governo num programa de renda mínima. Se esse programa é desejável na questão dos incentivos, aí é outra discussão.

Os empresários não "obrigam" ninguém a beber Coca-Cola ou usar jeans.

O whisky surgiu, as pessoas o apreciaram e por isso existe essa DEMANDA. Não é algo empurrado de cima pra baixo. É uma troca.

Propaganda pode até criar um desejo, mas este não gera uma necessidade, que por sua vez não se transforma num direito, dá pra você perceber?

Você confunde tudo.

O que parece ser a "visão da esquerda": conspiradores criam produtos que são impostos coercitivamente para o consumo de terceiros. O terceiro não tem escolha. É obrigado, por uma "mão invisível", a consumir Windows, Coca Cola, etc. Sua demanda é artificial, ele não deseja isso, é o "sistema" que aliena sua cabeça para consumir aquilo.

O que parece ser a "visão da direita": empresários têm uma expectativa do que os consumidores efetivamente desejam. Abrem um negócio procurando satisfazer os desejos dos consumidores em troca de lucro. Se não conseguem satisfazer, não conseguem continuar no mercado.

Bom. Sou adepto da "visão da direita".

É isso aí, Roberto.

E é só dar uma olhadinha nos resultados que a visão predominante de "esquerda" produziu e os resultados que a visão predominante de "direita" produziu pra ver quem tem razão.

Ignorar a realidade e focar numa utopia é delírio autoritário travestido de "humanismo".

Qual a "tirania" que um empresário exerce, Glauco?

Ele usa a sua poupança e o seu conhecimento pra organizar os fatores de produção de modo a atender as demandas dos indivíduos. Existem inúmeros riscos no caminho: a concorrência, a falta de interesse dos consumidores, o excesso de regulação, o governo...

Ele empregou diversas pessoas, movimentou a economia e, se tudo funcionar, vai ter um lucro, que é o seu salário.

Se nada funcionar, vai falir e botar a sua viola no saco.

Qual o pecado?

2 comments:

guilherme roesler said...

Bem, quanto a este Glauco nem preciso comentar nada.

Voce disse tudo.

Abraçaços, GR

guilherme roesler said...

Bem, quanto a este Glauco nem preciso comentar nada.

Voce disse tudo.

Abraçaços, GR