Thursday, March 12, 2009

O corporativismo

O corporativismo é um comportamento natural, uma auto-defesa presente em todos os grupos. "Vou proteger o meu colega pra ele me proteger também". O problema é quando a própria lei estimula isso. Quando o ex-diretor-geral do senado foi afastado do cargo, os funcionários da casa lhe fizeram uma grande homenagem pelos serviços prestados. Claro, mesmo que fosse um escroque, ele poderia ser generoso com os seus colegas na concessão, entre outras coisas, de horas extras não prestadas. A grana não era dele, era do "contribuinte". Quando a lei exige que a pessoa faça parte de uma guilda pra exercer uma profissão, como a OAB por exemplo, os seus membros vão se fechar cada vez mais pra dificultar a entrada de novos membros. Obviamente que isso vem embalado com "a preocupação com a qualidade do serviço prestado", mas acaba sendo mesmo mais uma reserva de mercado. A exigência do diploma pro exercício de algumas profissões não passa disso e é só um serviço se popularizar pra se iniciarem os apelos pela "regularização da profissão", vindos de pessoas que já exercem essa atividade e querem limitar ao máximo a concorrência, seja na astrologia, na psicanálise e, li outro dia, até no trabalho de DJ. O burocratismo presente nas relações de trabalho no Brasil não surge do nada, surge da legislação que protege corporações em detrimento da competição e dos consumidores.

2 comments:

Jorge said...

Posso divulgar esses artigos junto aos amigos?

sol-moras-segabinaze said...

Ah sim, por favor.