Wednesday, March 11, 2009

Mercantilismo nacionalista

"Mercado é bom quando as coisas dão certo. Quando tudo degringola, lá vão os liberais atrás da ajuda do papai estado." Segue por aí boa parte dos argumentos contra o laissez-faire. Confundem, mui convenientemente, empresários com liberais. Empresários, com poucas exceções, não são fãs do liberalismo, pelo contrário, querem o estado dando subsídios através do BNDES e protegendo seus negócios da concorrência externa através das tarifas de importação. Gostam do nacionalismo mercantilista das "políticas industriais" com a desculpa de proteger os empregos. Esse foco do governo no produtor esquece do consumidor, que é obrigado a pagar mais caro pelos produtos. Claro que o Lula abre o berreiro quando outros países usam desse mesmo expediente, barrando os produtos nacionais com vantagens comparativas. Mas o governo brasileiro é, comparativamente, mais protecionista que a maioria. Uma abertura comercial, mesmo que unilateral, beneficiaria a maioria da população e prejudicaria alguns produtores. Um emprego perdido num setor seria reposto em outro com vantagem. O Brasil não precisa produzir tudo o que consome e ganharia mais ao se concentrar naquilo em que é realmente eficiente. O custo de vida diminuiria sensivelmente e os "vencedores" e "perdedores" não seriam mais decididos em Brasília ou nos corredores do BNDES.

2 comments:

Igor T. said...

O empresário liberal é um mito que não acaba. Políticos do PFL ou do PSDB a favor do livre-mercado é outra asneira que dói fundo.

sol-moras-segabinaze said...

No Brasil, é só sair da esquerda hardcore que o camarada vira "neoliberal". O Lula, pro povo do PSOL e do PSTU, é "neoliberal".