Sunday, March 08, 2009

A estatização do crédito

"Certamente, em uma ordem capitalista, uma fração da renda nacional é gasta pelos ricos com bens de luxo. Mas independentemente do fato de essa fração ser muito pequena e não afetar substancialmente a produção, o luxo dos abastados tem efeitos dinâmicos que o tornam uma das forças mais importantes do progresso econômico. Toda inovação surge primeiro como sendo um mero "consumo de luxo". Depois que a indústria fica ciente disso, ela "massifica" esse bem, até que ele se torna uma "necessidade" para todos. Vejamos, por exemplo, nosso vestuário, a eletricidade e as instalações sanitárias, o automóvel e as facilidades de viagem. A história econômica mostra como os luxos de ontem se tornaram a necessidade de hoje. Muitas coisas que as pessoas nos países menos capitalistas consideram luxo já são bens triviais nos países capitalistas mais desenvolvidos. Em Viena, ter um carro é um luxo (não apenas na visão do coletor de impostos); nos Estados Unidos, um em cada quatro indivíduos possui um." - Mises (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=242).

2 comments:

Igor T. said...

Celular, Sol, celular.

sol-moras-segabinaze said...

Pois é, nessa época que o Mises escreveu o texto não devia haver nem telefone sem fio.