Wednesday, May 12, 2010

Lacaio Neoliberal dispara

Ao invés de estatizarem o Canecão, deviam privatizar a UFRJ. O pobre acaba pagando mais caro no feijão pra garantir o "almoço grátis" e a reserva de mercado da classe média no bandejão. Justiça social, gente. Incentivos: se os trabalhadores da iniciativa privada querem ganhar mais, têm de trabalhar mais. Se os trabalhadores do governo querem ganhar mais, páram de trabalhar e entram em greve. E são proibidos, pela lei promulgada por eles mesmos, de ser demitidos. Makes perfect sense to me. O socialismo está morto? Então por que todos os candidatos a presidente se declaram "de esquerda"? There's something wrong with the whole picture, man. Turma do teatro diz que não vai abrir mão dos 100% de incentivos fiscais: "Não temos o dinheiro do pessoal do cinema pra fazer lobby em Brasília." Obrigado JK, mais uma vez, por deslocar o poder pro meio do nada. E obrigado também a você que pensa que a cultura é um dever do estado e um direito do cidadão, o novo súdito. Falam por aí que a VEJA "censurou" um jornalista ao demiti-lo após ele ter chamado a revista de "racista" e "nazista". Atenção, quem tem o poder de censura é o governo, uma empresa privada tem o direito de demitir quem ela quiser, isso não configura censura e nem um atentado à liberdade de expressão. As palavras têm significados específicos por um motivo, camaradas.

9 comments:

João said...

Por partes, como diria Jack:

Fui um dos privilegiados da UFRJ. Hoje, tenho consicência de que não merecia que os pobres pagassem por minha obtenção de diploma-visando-à-ridícula-reserva-de-mercado. Mas já cheguei a ouvir de uma amiga que era justa a "luta" dos estudantes da UFF para que não aumentassem o preço do bandejão de R$ 0,70 para exorbitantes R$ 3.
Na Praia Vermelha, já não tinha quando eu entrei. Pelo que ouvi, ninguém mais ia, porque a comida era muito ruim - e todo mundo tinha dinheiro para pagar um "à quilo" (com crase errada, como eles sempre escrevem) ou preço fixo no bom e velho shopping off-price (coisa de pequeno burguês, classe C; burgu~es de fato ia ao Rio Sul).

Em uma das três vezes que estive (e desisti) de uma lista de discussão teoricamente do mundo dito indie, me impressionou que quase todos achavam muit legal ter sua diversão paga pelos impostos dos pobres - especialmente os nacionalistas que votavam no PT. Aliás, a retórica "ame-o ou deixe-o" atual não se restringe ao Dunga nesses dias; um anão moral - como diria tio Rei - bem mais popular tem alçado novamente esse estúpido ufanismo policárpico.

A única situação em que a "crasse artística" demonstra alguma coerência é quando grita contra a meia entrada. É claro, quando bate no bolso deles, os ídolos deixam de achar linda a "jurtiça social".

Quem foi demitido da Veja? Se um cara chama a recvista em que trabalha de "racista" e "nazista" tem que ser mandado embora por justa causa. Aliás, se a revsta é "racista" e "nazista", ele estava trabalhando nela por ser racista ou por ser nazista?

sol-moras-segabinaze said...

Vero, João.

sol-moras-segabinaze said...

O cara trabalhava numa outra revista do grupo Abril.

João said...

Nome?

sol-moras-segabinaze said...

"Felipe Milanez, um dos editores da National Geographic Brasil, da editora Abril, escreveu na tarde desta terça-feira (11/5) em seu perfil no Twitter que foi demitido em função de um post com críticas à revista Veja, da mesma empresa.

No post que gerou a demissão, ele escreve (a transcrição é literal): "Veja vomita mais 'ranso' racista x indios, agora na Bolivia. Como pode ser tão escrota depois desse seculo de holocausto?""

Paulo Rocha said...

Privatização da UFRJ já!

Anonymous said...

O cara escreveu ranso com S? O cara é jornalista? O cara foi demitido? Justa causa, meu camarada.

Anonymous said...

Mais uma vez: ranso, com S? PQP! Os caras que escrevem não sabem escrever.
E ainda reclamam. Por muito menos lá em Cuiabá a gente capa um sujeito.

Anonymous said...

Again: o cara que escreveu ranso com S não era jornalista, era só editor
da revista. O editor da revista não sabe escrever, como saberá editar?
Me repetindo de novo: PQP!