Friday, September 03, 2010

A diferença entre poder político e poder econômico

O governo anuncia o aporte de 100 bilhões de reais na Petrobras, certamente pra aumentar a sua participação na empresa que abriu o seu capital anos atrás. Os sindicalistas e políticos ainda não se conformaram que o petróleo não é mais 100% deles e o governo usa de manobras contábeis pra retomar o controle completo dessa Jóia da Coroa, notaram como "privatização" virou um palavrão? Sob o ponto de vista da eficiência econômica, isso não tem razão de ser. Veja a Vale do Rio Doce, que rende mais em impostos hoje do que jamais rendeu quando era estatal. Só que "eficiência econômica" não é bem a prioridade do poder, a prioridade do poder é ter o máximo de instrumentos pra se manter no poder, e as estatais são ótimas pra isso porque servem como moeda de troca no toma-lá-dá-cá do jogo político. Essa mão-lava-a-outra, claro, não se limita à política, veja o prestígio que as estatais têm entre o pessoal da cultura com seus patrocínios e editais, eficiência econômica my ass, verba a fundo perdido yes. Mas qual é a diferença entre poder econômico e poder político? Você provavelmente já ouviu alguém jogar as duas coisas num mesmo saco, igualando desiguais pra beneficiar um dos lados. Uma empresa privada oferece produtos no mercado e precisa agradar os consumidores pra ter lucro e não ir à falência. Uma empresa estatal não segue essa mesma lógica, porque tem por lei diversos privilégios de mercado. Se, mesmo assim, der prejuízo, ela sempre pode contar com a capitalização do governo. Uma empresa privada pode ser milionária, mas se deixar de oferecer produtos com a qualidade e o preço demandados pelos consumidores, a concorrência vai tomar uma parte do seu mercado e ela pode falir. Ou seja, a sobrevivência de uma está relacionada à sua capacidade de agradar os consumidores, a sobrevivência da outra está relacionada à sua capacidade de usar a força da lei pra garantir um privilégio.

4 comments:

Anonymous said...

A Petrobras é um domador que doma um leão holográfico. Vai tranquila pro trabalho, não perde o sono de noite e nem tem pesadelos quando dorme. Muito bom ser Petrobras. Não sei se é bom ser acionista - o Soros tirou o time dele de campo e levou um monte de gente junto. E os pequenos investidores não devem ter gostado nem um pouquinho dos preços arbitrariamente conferidos ao barril do pré sal.

sol-moras-segabinaze said...

Bem observado.

Tomas Maranhao said...

Piada... 8.51 uma boa ideia... copre uma acao e ganhe uma garrafa de pirassununga!

Anonymous said...

Li no Globo de hoje que mami Petro vai dar pros filhinhos graninha pra comprar ação. É bom ter mãe assim.
Eles não tem vergonha de notícia, imagine o que eles fazem e não contam. Por falar, nisso, conversando com amigo petista que disse que a quebra do sigilo foi transformada num berreiro de perdedor. Engraçado, observei, Lula quase teve outro filho quando Collor descobriu filha dele, lula,
por debaixo do pano. O cara esperneou tal porco no matadouro.
Quebra de sigilo contra é crime, a favor é bobagem da oposição. Uma das coisas que sempre me deixaram de bem com o pt, nos bons tempos, era o caráter inteiramente digno que os caras tinham. Hoje, vale tudo pelo puder. O puder é tudo. Bem, quatro anos de dilma, depois lula volta, mais quatro, depois dilma volta, mais quatro, depois lula volta, mais quatro - e assim até o fim dos séculos. Vou morar em Kastellorizo, minha amiga Berenice sabe o que é! Convidarei vocês, claro.