Thursday, October 04, 2007

Doutrinação nas escolas

É realmente espantoso notar que os únicos que acham que há algo de muito errado na educação brasileira nessa comunidade são os liberais.

Essa gente relativiza a doutrinação porque no fundo concorda com ela. Podem se dizer social-democratas, mas apóiam esse marxismo de galinheiro que ensinam às crianças.

fake Bad, vivo reclamando do esquerdismo do "O Globo", principalmente na parte cultural, lotada de anticapitalistas voluntários e involuntários.

Só que há uma diferença que você finge ignorar: "O Globo" é uma empresa privada, e se não concordamos com o que é dito ali, podemos simplesmente parar de ler e comprar esse jornal.

Já o material "didático" do MEC é pago com o dinheiro de todos, queiramos ou não tal doutrinação.

Entendeu a diferença?

Aliás, não é questão apenas de doutrinação comunista, existem erros e mentiras grosseiras nesses livros.

Pois o problema, fake Tôni, não é simplesmente de "ideologia", de se expor todas as visões de mundo pras pessoas, por elas mesmas, formarem o seu próprio posicionamento.

O que se vê é uma clara doutrinação mentirosa que diz que o capitalismo é "ruim" e o socialismo é "bom".

A história real mostra que a verdade é exatamente o contrário.

Isso é uma violência intelectual que só interessa a esquerdistas como você. E ao próprio Ministro das Educação, outro comuna "democrático" que já cometeu livros em defesa da escravidão.

Vivemos uma guerra de valores, e quem imagina que isso é apenas uma "questão de opinião" está enganado.

Bad, é lógico que há uma imposição.

Os professores podem ter 20 livros pra escolher, mas se esses 20 livros tiverem a mesma visão deturpada da história, qual a liberdade de escolha?

Não seja cínico.

É Tiago, a solução é taxar pesadamente os ricos pra se fazer "justiça social"...

Aprenda com os exemplos históricos. O que o Brasil precisa é de uma ambiente que valorize a livre-iniciativa, com menos regulações, impostos e castrações das liberdades individuais.

Faça um programa de renda mínima e deixe o mercado funcionar.

Isso é liberdade e isso é o que faz um país crescer.

Posar de defensor dos pobres defendendo uma política com os incentivos errados só cria mais miséria.

O problema, meu caro fake Bad, é que não basta apenas escrever o livro e "colocá-lo no mercado".

Os livros são escolhidos a dedo pelo MEC, e duvido que um livro com uma visão minimamente isenta da história fosse selecionado por esse pessoal.

Imagina então um livro com um viés liberal...

Mas Bad, a luta dos liberais é justamente pra mudar a mentalidade estatista entranhada na maioria das pessoas que condena o Brasil ao atraso.

Denunciar as imposturas da hegemonia esquedista, que envolve não só o MEC como os próprios professores devidamente domesticados pelo senso comum gramsciano, é um dever de quem preza a liberdade e a verdade.

Mas se vocês realmente acreditam que a solução é aprofundar o estado atual das coisas, continuem votando no PT e achando que o capitalismo é "malvado".

É uma passagem garantida só de ida ao subdesenvolvimento permanente.

Bad, o maior comprador de livros didáticos é o próprio governo federal.

Imagino que o mercado privado ainda seja maior, mas nada que mais alguns anos com o PT no poder não possa mudar, não é mesmo? rs

O currículo escolar deve ser livre, em oposição ao atual cabresto mediocrizante imposto pelos planejadores do MEC.

Val, sei muito bem do que trata Gramsci e as conseqüências voluntárias e involuntárias da leitura que ele fez de Maquiavel.

Você é um cara educado, mas me poupe das suas enrolações.

Val, você pode ser um bom amigo, mas pela experiência de debate que tenho contigo, sei que não adianta argumentar, pois as palavras e as idéias pra você parecem não ter significado, restando um jogo etéreo de conceitos onde a verdade não existe, mas apenas "interpretações", todas igualmente válidas.

Já eu acho que existe o certo e o errado, que as idéias têm conseqüências e que podemos, no mínimo, tentar nos aproximar da verdade da natureza humana através da reflexão e da honestidade intelectual.

Abraço

Não Wagner, "malvadão" é o capitalismo, é o mercado... rs

Óbvio que existem socialistas doutrinando nas escolas particulares também.

Claro que vocês não vão concordar comigo, vão me chamar de "idiota-útil" escondidos em perfis fakes e não vão reconhecer que o senso comum está impregnado sim de teses esquerdistas.

A maioria das pessoas NÃO É socialista, do tipo que quer uma revolução nos moldes soviéticos. Mas essas pessoas estão envolvidas por uma confusão mental que as faz ignorar a correlação que existe entre capitalismo e democracia. Ou estão mais interessadas em defender os seus interesses, ameaçados por idéias que questionam o statu quo.

A desinformação esquerdista e o patrimonialismo brasileiro foram realmente feitos um para o outro. rs

Wagner, como assim, o "liberalismo nunca existiu"?

Toda a noção de igualdade perante as leis, da liberdade de expressão, de respeito às minorias, da democracia, tudo isso é rescaldo dos postulados liberais.

Mesmo aqui no Brasil ainda existe muitas dessas coisas, infelizmente deturpadas com o marxismo de galinheiro que pretende acabar com todas essas conquistas "burguesas" pra colocar em seu lugar o "socialismo do século 21" ou qualquer outra tara autoritária.

O liberalismo que nunca existiu é aquele ortodoxo, do respeito absoluto aos direitos naturais, aquele dos anarco-capitalistas.

Bad, a maior parte da iniciativa privada quer mesmo é ter os seus livros comprados pelo governo. Assim evitam a concorrência e têm a sua grana garantida.

O que está errado são esses incentivos.

Uma das falácias favoritas dos esquerdistas é identificar os empresários com os liberais. A verdade é que a maioria dos empresários quer fugir do livre-mercado, da concorrência, preferindo mesmo uma parceria livre de riscos com o monopólio da coerção.

Por isso que a solução dos vouchers de Friedman é a melhor pra garantir a liberdade curricular e o acesso à educação.

Aí os incentivos estariam corretos.

1 comment:

guilherme roesler said...

Sol,

Eu estudei com o livro infame recusado pelo MEC...

Ainda bem que não me afetou em nada.