Monday, June 27, 2011

David Mamet e os jornais

A imprensa progressista (socialista) dos EUA entrou em polvorosa ao ver que um dos seus heróis, o dramaturgo David Mamet, havia traído o movimento e virado um "conservador com tendências libertárias influenciado por Hayek" (http://youtu.be/T-CiR1boTw4). Foram então atrás dele pra saber como tinha se dado tal abominação e perguntaram o que ele havia feito - além de ter se transformado num FDP insensível - pra melhorar a própria vida. Ele respondeu que tinha deixado de beber e ler os jornais. Não sou um dramaturgo famoso, mas já se vão uns 10 anos desde que abandonei o esquerdismo padrão brasileiro. Bebo menos do que bebia há uma década e ainda leio o jornal, mais especificamente O Globo, uma versão brasileira do New York Times que o Mamet deixou de acompanhar com satisfação - um dia chego lá. Enquanto isso não acontece, a leitura matinal do jornal continua me dando uma idéia do buraco filosófico que a militância progressista (socialista) cava diariamente na opinião pública. Não que a orientação editorial de um grande jornal tenha como ser radicalmente de esquerda como um A hora do povo da vida, a coisa se dá de maneira mais suave e subliminar, com alguns poucos articulistas liberais ou conservadores contrabalançando o viés progressista (socialista) das notícias. Pode-se dizer que um esquerdista hardcore também consideraria O Globo um inimigo da justiça social, parte integrante do Partido da Imprensa Golpista (PIG), mas a Rede Globo sempre fez parte do grande esquema de poder e só vai se posicionar efetivamente contra a agenda progressista (socialista) do PT quando a situação sair do controle e ficar mais ou menos como está hoje na Grécia. É bom lembrar que o governo é o maior anunciante do país, além de ter a lei e a arma na mão. A social-democracia parece funcionar muito bem pros políticos, burocratas e pros que recebem verbas e privilégios em troca de apoios e votos, até o dia em que a realidade bate à porta e demonstra que esse esquema de corrupção mútua do welfare state é insustentável. (http://www.nytimes.com/2011/05/29/magazine/david-mamet-talks-about-his-shift-to-the-right.html)

4 comments:

Anonymous said...

Só imbecil escreve carta aos jornais. A frase é do Paulo Francis. Gosto de ler as cartas. Mostram quem lê os jornais. Ás vezes leio com prazer, outras com horror. É a opinião pública. Há um balançômetro indicando se a OP está contra ou a favor de seja lá o que for. Daí o jornal carrega nas tintas. Ou não. O que isso quer dizer? O jornal sabe o leitor que tem. Já o contrário...

rodrigo said...

"Ele tinha deixado de beber e ler jornais." Cômico. Os esquerdistas entenderam a ironia?

Rodrigo Guedes

Anonymous said...

E a grana do bndes pro Pão de Açucar, hem?

sol-moras-segabinaze said...

É o capitalismo de compadres ou o socialismo de mercado ou o fascismo democrático, tudo pelo social.